Fale conosco pelo telefone (11) 3035-3777 ou na página FALE CONOSCO.

Você sabe como o CGNAT pode afetar a sua conexão de internet?

Telecom - 28 jun 2021

Já ouviu falar no CGNAT e como ele funciona? Está diretamente ligado ao funcionamento da sua internet. Entenda a seguir. 

Lá nos anos iniciais da internet, quando seus criadores especificaram que cada dispositivo que precisasse se conectar a grande rede deveria possuir um endereço único, o famoso IP (Internet Protocol).

Então, fizeram um padrão chamado IPv4, que permitia a combinação de mais de 4 bilhões de variações para os dispositivos poderem se conectar à rede.

Nessa época, parecia ser um ótimo número para atender a demanda global. Mas com o surgir dos smartphones, tablets, sistemas de automação e basicamente tudo que conectamos a internet.

Foi necessário criar então o protocolo IPv, oferecendo 340 trilhões de trilhões de trilhões de possibilidades para se conectar à rede.

Porém, surgiu a necessidade de migrar entre as duas versões, que não é nada fácil e rápida. Surge, então, o CGNAT.

Como o CGNAT funciona

O Carrier Grade Network Address Translation (CGNAT) é considerado o intermediador entre a sua rede de internet doméstica e a rede de internet geral, implementada a nível de provedor de acesso.

Os provedores estão compartilhando os poucos e escassos endereços disponíveis do IPv4 entre diversos consumidores. Sim, ao invés de um IP único e exclusivo, estamos compartilhando o mesmo IP, graças ao CGNAT!

Benefícios do CGNAT

Mesmo que algumas pessoas vejam essa solução como nociva, podemos aqui, citar alguns benefícios de seu uso pelos provedores:

  • Conectividade transparente: O CGNAT oferece a conectividade NAT mais transparente, porque possui recursos como Endpoin Independent Mapping (EIM), Endpoint Independent Filtering (EIF) e Hairpinning;
  • Controle de dados IP: com a conectividade da CGNAT, é possível usar combinações de controle e dados IP/porta separadas em suas comunicações;
  • Quotas de usuários: capaz de administrar um limite na quantidade de portas TCP e UDP que podem ser usadas por um único assinante;
  • Técnicas avançadas de registro: quando os dispositivos são conectados, produzem uma enorme quantidade de sessões. Para rastrear as sessões, produzem uma grande quantidade de log. Com o CGNAT é possível reduzir o volume de logs, como o zero-logging, registo compacto, entre outros.

 

E, dessa forma, o CGNAT ajuda para que toda a comunidade ligada à tecnologia faça a migração do IPv4 para o IPv6.

Quer saber mais sobre o CGNAT e outras evoluções tecnológicas das telecomunicações? Então continue acompanhando nosso blog.